BLOG


 
BLOG DA PATRICIA CRAVEIRO

 
 
 
 

Apesar dos adultos estarem cientes dos perigos do Sol, nem sempre estão conscientes da extrema vulnerabilidade da pele de suas crianças quanto o assunto é a exposição solar.

A pele da criança ainda em desenvolvimento tem um sistema de pigmentação imaturo, e por essa razão, é mais susceptível às agressões solares e pode apresentar danos celulares mais profundos.

Portanto, a pele da criança deve ser protegida eficazmente, até mais protegida que a pele dos adultos.
 
Cerca de 80% da exposição aos UV ao longo de uma vida ocorre antes dos 18 anos. 
Estima-se que durante as férias, um terço das crianças expõem-se, em média, 15 horas por semana de fato em banho ao Sol ...  isso é DEMASIADO !!
As brincadeiras em ambientes de piscinas e praias merecem atenção especial, sobretudo quando se sabe que a água e a areia refletem 30% dos Raios Ultravioleta.
 
São comuns nos meses de férias escolares as queimaduras solares, consequentes da exposição solar mais prolongada. A insolação pode provocar até mesmo desidratação grave, com risco de vida em alguns casos, dependendo da intensidade e da idade da criança.
As agressões celulares profundas provocam danos irreversíveis e fragilizam a pele. A longo prazo podem ocorrer aceleração do envelhecimento cutâneo e aumento do risco de desenvolvimento de câncer de pele.

Nesta idade, a criança é incapaz de avaliar o perigo da exposição solar. Assim, os adultos responsáveis por elas que devem assumir a importante tarefa de prevenção!

Proteger a sua criança significa, acima de tudo, educá-la!!
 

Sabe-se que o SOL é fundamental para a síntese de Vitamina D no nosso organismo.
Mas é necessário um tempo curto de exposição cutânea para que esta síntese aconteça. ( Em torno de 10 minutos diários, expondo apenas uma pequena parte do corpo ao SOL,  já é suficiente! )
Ensinar as crianças sobre os riscos da exposição solar demasiada e sobre a prevenção é fundamental, e orientamos sempre estimular desde cedo os auto-cuidados com a pele.   

 
 
 

As principais recomendações para aproveitar bem as férias escolares são:
 
  • Evitar as horas de intensidade solar máxima (entre as 11 e as 15 horas), privilegiando as atividades à sombra ou em ambiente coberto.
  •  Usar chapéus ou bonés de aba larga, óculos de Sol com lentes filtrantes adequadas aos raios UV e roupas escuras (uma camiseta preta protege mais do que uma branca!)       
  • Aplicar protetor solar de maneira frequente e generosamente em todas as zonas expostas ... sem esquecer a nuca, as orelhas e os pés! (A aplicação correta ideal é de 2 em 2 horas, antes de cada exposição solar e após cada banho).
  • Escolher um protetor especificamente formulado para a pele da criança, pois a sua composição difere um pouco dos protetores convencionais formulados para os adultos, em virtude da pele da criança ser mais sensível e imatura. O índice de proteção deve ser acima de 30 ( FPS acima de 30 ), resistente à água e à areia. (Existem várias opções de marcas de protetores solares disponíveis atualmente, mas deve ser lembrado que devem constar especificados na embalagem a formulação infantil.)  
  • Beber água com regularidade. É muito importante a hidratação oral ao longo do dia. (Lembrar de oferecer líquidos com maior frequência às crianças, pois elas se esquecem de pedir líquidos aos adultos durante suas brincadeiras).
 
 
 
 
 
 
 
ATENÇÃO:
 
Antes de completar 6 meses de vida, a pele do Bebê é muito sensível e imatura.
 
Não é recomendada a aplicação de protetores solares na pele de Bebês antes do sexto mês de vida, pois as substâncias químicas presentes na composição dos fotoprotetores podem causar intoxicação sistêmica, devido a maior absorção percutânea nesta faixa etária.
 
Assim, o ideal é evitar completamente a exposição solar mais intensa ou prolongada até os 6 meses de idade.


Após o sexto mês de vida, os protetores solares específicos infantis já podem ser utilizados na pele das crianças. Mas atenção: o ideal são os protetores chamados "físicos", por conter substâncias mais adequadas à pele sensível das crianças desta faixa etária. Sempre peça a orientação de um dermatologista quando existir  a necessidade de uso deste tipo de protetor solar.  
 
Somente após os 2 anos de idade é recomendado o uso dos protetores chamados "químicos", que são a maioria destes que encontramos à venda em drogarias com a descrição infantil no rótulo.
 
 
Orienta-se aos adultos em seus passeios à praias ou piscinas serem bastante cautelosos ao levar crianças, principalmente antes dos 3 anos de idade. 
 
Lembrar que até os 3 anos de idade a pele da criança ainda é imatura para suportar a radiação UV demasiada.    O tempo de exposição ao sol deve ser rigorosamente controlado pelos pais e orienta-se que nunca pode ser prolongado.  
 
Procure sempre o auxílio do Dermatologista para esclarecer qualquer dúvida pertinente e orientar o Filtro Solar mais adequado para cada tipo de pele!
 
 
Boas férias... Cuide bem da pele de suas crianças !!
 
 
Até breve,
 
Dra. Patricia Craveiro
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
 
 


 










 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

  




 
 
 


 



 
 
 
 

 
 
 
 

0 Comentários