BLOG

As sardas brancas costumam invadir o rosto, os braços, colo e pernas de quem passou muito tempo exposto ao sol sem proteção. A leucodermia gutata, ou leucodermia solar, é bastante frequente nos pacientes.

Esses pontinhos brancos aparecem com o tempo. Esse hábito de se expor ao sol sem proteção faz com que a célula que produz melanina pare de fabricar o composto e favoreça o surgimento dos pigmentos esbranquiçados.

A melhor forma de evitar as sardas brancas é não se esquecer do protetor solar. O uso de fotoprotetores deve ser feito todos os dias do ano, inclusive nas estações mais frias com outono e inverno. O dano causado pela exposição solar é acumulativo e pode aparecer mesmo de depois de muitos anos que você parou de se expor ao sol.

As sardas brancas não têm sintoma e também não apresentam riscos, como um câncer de pele. Isto não quer dizer que você deve descuidar da saúde da sua pele porque a exposição ao sol sem proteção pode causar outros danos.

Tratamento

Por muitos anos, a dermatologia não conseguia um tratamento eficaz para essas sardinhas, era recomendada apenas a proteção. A boa notícia é que as sardas brancas têm tratamento!

Uma ótima saída é o tratamento conhecido como Microinfusão de Medicamentos na Pele (MMP). Ele melhora bastante a aparência da pele e ajuda o pigmento voltar a aparecer no local.

Com equipamento automático com microagulhas, o medicamento é injetado em cada sarda branca, de forma quase indolor. O MMP é um procedimento patenteado e somente bdermatologistas da Sociedade Brasileira de Dermatologia podem fazer o procedimento. Confie sua saúde apenas a um profissional habilitado. Logo volto com mais novidades!

0 Comentários